Trabalhadores têm até 30 de junho para sacar o PIS 2015, muitos não sabem, mas o pagamento do PIS tem uma data limite e quem não sacar até esta data perde o direito ao pagamento.

Em todo o país, 8,7% dos beneficiados ainda não realizaram o saque. O valor não sacado soma R$ 1,7 bilhão.

O valor do PIS é de R$ 880,00, equivalente a um salário mínimo vigente.

Antes de sacar o PIS, o trabalhador deverá verificar se o benefício não foi depositado diretamente na conta. Caso contrário, compareça com o cartão cidadão e senha cadastrada, nos terminais de autoatendimento da Caixa ou em uma Casa Lotérica. Quem não tiver o cartão pode receber o abono em qualquer agência da caixa, mediante apresentação de um documento de identificação.

Já os participantes do PASEP (Banco do Brasil), após verificar se houve depósito na conta, devem procurar uma agência e apresentar um documento de identificação.

O PIS é destinado aos funcionários de empresas privadas regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e o PASEP é devido aos servidores públicos.

Para ter direito ao abono salarial, o trabalhador precisa:
– estar cadastrado no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos;
– ter recebido remuneração mensal média de até 2 salários mínimos em 2014;
– ter exercido trabalho remunerado por pelo menos 30 dias em 2014
– ter os dados atualizados pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais

Além disso, o trabalhador tem de ter seus dados informados pelo empregador (Pessoa Jurídica) corretamente na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS).

Empresas: atentem-se quanto à regularização dos seus funcionários a fim de evitar multas e penalidades adversas.

Trabalhadores, caso a empresa não regularize sua situação no PIS, procure-nos.